quinta-feira, setembro 13, 2007

Joe Berardo


"Não sou tão importante como Gulbenkian, mas quase"

Em Portugal quase não há um dia em que não seja notícia. Joe Berardo, 62 anos, é o homem de que se fala: seja pelo CCB, pelo SLB, pelo BCP ou pela PT. Ao fim de três semanas de tentativas goradas, o comendador encontrou 15 minutos livres para responder à entrevista. Em português.

[Entrevista de Helena Teixeira da Silva publicada a 21 de Agosto de 2007 na série Farpas do Jornal de Notícias]

Está mesmo arrependido de ter dito “Fuck him” a Rui Costa ou acha que isso influiu no desempenho dele?
Continuo a achar que tenho razão. Se não o tivesse espicaçado, ele não teria marcado dois golos contra o Copenhaga. Há 14 anos que não fazia um jogo daqueles.

Acha que devia aplicar a estratégia à equipa inteira?
Se for para todos marcarem golos, acho que sim. As pessoas têm que ser motivadas.

A sua OPA ao Benfica fracassou. Hoje é um dia triste?
Não. As acções estavam a cair e não sei o que teria acontecido se eu não tivesse interferido. O meu objctivo – chamar a atenção para a marca SLB – ficou cumprido.

Veste-se de preto como os mágicos. O seu melhor truque é saber fazer dinheiro?
[risos] Não sei. O que sei é que sem dinheiro, a vida é muito mais difícil. E a cultura ainda pior.

É o quinto homem mais rico de Portugal. Não tem medo de ser assaltado?
Acho que não. Se vivesse em Angola, Venezuela ou Brasil, talvez. Em Portugal, não. E se fosse para viver com essa preocupação mais valia doar tudo o que tenho.

Se perdesse toda a sua fortuna começava do zero ou perdia a cabeça?
A única certeza que tenho é que um dia vou partir. Mas enquanto há vida, há esperança. Recomeçava do zero, obviamente. Já tantos portuguses o fizeram, e em situação tão mais difíceis.

Disse que nunca regressaria a Portugal. Regressou porquê?
As nossas raízes são como as mulheres: podemos dizer mal delas, mas se as amamos acabamos por voltar. Tenho com Portugal uma relação de amor-ódio.

Veio para ficar?
Ai isso já não sei.

Já pensou corrigir o seu português ou gosta mesmo de o misturar com o inglês?
Os meus negócios na África do Sul sempre foram feitos em inglês. Como não sabia o idioma, até em casa falava para aprender. Foi muito duro. É o hábito.

Portugal é um bom país para enriquecer?
Não, nada. É um bom país para trazer a fortuna.

Em terra de cegos quem tem um olho é rei?
Isso é um ditado antigo, mas que não tem nada a ver com a realidade. Não há sequer terras de cegos. Veja o número de europeus que vão para Angola à procura disso e veja o que lhes acontece.

Mas foi em África que cumpriu o seu sonho americano...
Mas foi porque levei uma ideia nova. Essa foi a minha vantagem sobre as outras pessoas.

Aparentemente, não há negócio que lhe escape...
... Escapam, escapam. Escapam muitos, infelizmente.

A TAP também poderia ser para si um bom negócio?
Já estive uma vez em negociações com eles. A TAP é uma companhia sólida. Ultimamente teve um management que conseguiu dar a volta àquilo, mesmo no meio de tantas dificuldades. Fez um bom trabalho. Achei que a situação da TAP era muito pior do que é.

Se as eleições legislativas fosse hoje, votaria em José Sócrates?
estePortugal precisa de um primeiro-ministro com a coragem dele para dar uma reviravolta ao páis. Se queremos acompanhar a competititvidade do mundo, temos que ter líderes como ele senão estamos tramados.

E escolheria Isabel Pires de Lima para a Cultura?
Temos opiniões diferentes em relação a muitas coisas. Mas considerando o dinheiro que ela tem, o trabalho não tem sido mau.

Disse que Mega Ferreira representa bem o intelectual portugués. Isso significa o quê?
Ele faz parte da fatia intelectual portuguesa; eu não sou desse clube. Acho que ele tem o seu valor. Compreendo que não goste da minha maneira de trabalhar.

Sente que o seu leque de inimigos de colarinho branco está a aumentar?
Não. Sinto que está a aumentar o meu leque de boas pessoas.

Vetou a OPA da Sonae à PT, travou o regresso de Jardim Gonçalves ao BCP, fez uma OPA ao SLB. Vê-se como o senhor OPA?
Não gosto de pessoas que perseguem o capital. Continuo à espera do dia que as pessoas percebam que o dinheiro não é tudo na vida.

Há cada vez mais pessoas à sua volta a pedirem coisas?
Isso foi sempre assim. Sempre toda a gente me pediu coisas. Ajudo muitos. Não sou tão importante como Gulbenkian, mas quase, no sentido em que tenho ajudado muita gente com bolsas de estudo.

É presenta assídua no CCB?
Vou sempre que posso. Já tivemos mais de 800 mil visitas. É uma marca inédita em Portugal e mesmo a nível mundial.

Ainda mantém as suas colecções de selos e caixas de fósforos?
Ainda. Ainda há pouco tempo estive a vê-las.

Marcadores: , ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home