sexta-feira, abril 13, 2007

Guta Moura Guedes


"Resultados só serão visíveis em 2008"

O rótulo – “Senhora Design” –, atribuído, uma vez, pela revista Máxima, é sustentado pelo currículo onde o termo se repete incessantemente. Criou, em 1998, a Experimenta Design e a Bienal que colocou no circuito internacional a arte portuguesa contemporânea; coordenou, em 2001, o projecto “Voyager”, levando artistas às principais cidades europeias do design; este ano, integra o comité internacional que fará de Turim, Capital Mundial do Design em 2008. Guta Moura Guedes é a senhora do design e acredita que a disciplina “é muito mais profunda do que a sua dimensão estética ou superficial”. É o que está agora a provar na Casa da Música, no Porto.
A precisão do percurso pode suscitar equívocos: que função cumpre numa Casa, que é da Música, a “senhora Design”? Design, justamente, responde, sem embaraço, Guta Moura Guedes, assessora para a comunicação, marketing, design e desenvolvimento, desde Setembro, no equipamento portuense, que este fim-de-semana celebra o 2º aniversário. Importou de Nova Iorque o designer Stefan_Sagmeister para fazer um “lifting” à imagem da Casa da Música, criou um ciclo mensal de instalações e coordenou o primeiro livro da instituição, que sairá em Julho.
Correndo o risco de ser acusada de estar, apenas, a defender a sua dama – o design – e com o contrato a expirar daqui a cinco meses, Guta não desacelera: quer lançar um desafio a criadores emergentes para desenharem o merchandising; outro para preencher de som os corredores mudos. Mas reconhece que a comunicação ainda não é completamente eficiente. Em 2008, promete, será diferente. Continuará ligada ao projecto? “Não sei como vai ser o futuro”.

[Entrevista de Helena Teixeira da Silva publicada no Jornal de Notícias a 13 de abril de 2007]

Quando chegou à Casa da Música (CM) teve logo a percepção de que ela poderia ser, também, habitada por outras disciplinas, como as artes plásticas?
Imediatamente! O desejo de que a Casa deveria ser um repositório de outros criadores, estava implícito no convite que me foi feito. No fundo, é a minha ligação às artes plásticas, arquitectura e design que justifica a minha presença.

A exploração dessa ligação é o lado mais visível da sua colaboração na CM. Mas as suas funções remetem, também, para a comunicação, marketing e desenvolvimento. Não receia que pareça estar interessada, apenas, em defender a sua dama – o design?
Não, não, não! Não tenho medo nenhum que digam que estou a defender a minha dama – efectivamente, estou. Tenho um inegável percurso ligado ao design. O meu interesse por ele – enquanto disciplina e não apenas focado nos objectos –, não é superficial; é profundo. O design é a disciplina operativa do século XXI. Constato é que consigo aplicar a minha perspectiva do design em qualquer projecto. Tenho trabalho interessante, visível, com frutos e isso é bom. Na CM, apliquei essa matriz processual depois de ter percebido os objectivos da sua aplicação, o que era esperado de mim e de que forma podia potenciar as valências de uma disciplina que é, realmente, a me interessa mais.

E criou um ciclo de onze instalações a apresentar, mensalmente, até ao fim do ano. Que critério esteve subjacente à escolha dos artistas?
Primeiro, o ritmo, que é determinado pelos concertos da ONP à sexta. Propus que definíssemos a Arquitectura e o Design como áreas de eleição para 2007. Queria trabalhar com uma geração de artistas à volta dos 40 anos._Criadores com trabalho visível, profundo, consistente, mas não consagrados. E com disponibilidade para permitir este jogo. Dado o pouco tempo para lançar o desafio – lancei-o em Outubro – não poderíamos pedir que trabalhassem sobre as obras tocadas. No futuro, será importante; agora, era impossível. As instalações estão focadas no objecto arquitectónico, no espaço da Casa, na interacção com o público.

Mas não existe programa definido em torno das obras...Não. O interesse reside nas várias leituras possíveis: através das visitas guiadas – ou não, porque a CM está sempre aberta; ou nas inaugurações, onde estão presentes o criador e o crítico que assina o texto._O Nuno Grande, por exemplo, quis fazer uma série de debates, integrados na sua intervenção. Se outros o quiserem fazer, estamos disponíveis.

É um projecto pontual?
Gostaria que tivesse continuidade. Mas estes programas demoram tempo a produzir efeitos: criar públicos, aproximar as pessoas do acto criativo. Diria que este trabalho de cruzamento deveria ter, pelo menos, cinco anos de existência. E seria interessante haver avaliação – quantitativa e qualitativa –, dos resultados, no fim do ano, para que a próxima edição possa ser ainda melhor.

Está aí implícita uma vontade de continuar ligada à CM?[risos] O meu contrato acaba em Setembro. Para já, tenho um compromisso com a administração da CM, com prioridades identificadas, que quero cumprir no espaço de um ano. Mas é óbvio que a minha ligação ao projecto muito forte. É extraordinário: pela matéria, que é a música; pelo objecto arquitectónico; pelo facto de estar no Porto, cidade que sinto estar a reinventar-se; e pelo triângulo com Serralves e o Teatro Nacional São João. E há a consciência do investimento, que é brutal. Dá-me imenso prazer fazer parte desta equipa, mas não sei como vai ser o futuro.

Desafiou Stefan Sagmeister a renovar a imagem da CM. A que se deve a escolha?Porque é extraordinário, inteligente, criativo, profundo. Foi desafiado a pensar tão longe e de forma tão aberta e criativa como Rem Koolhaas pensou o edifício. E conseguiu. De todos os designers que equacionámos, tinha vantagens fundamentais: trabalha em Nova Iorque só com duas pessoas, o que significa que escolhe, criteriosamente, os projectos que quer trabalhar. E que nós, clientes, tenhamos a certeza de que é mesmo ele que trabalha connosco. Tem um percurso ligado à música, logo, a nossa matéria é-lhe muito familiar. Finalmente, tem uma abordagem muito vincada. Tal como Koolhaas, imprime a sua personalidade nos projectos. Conheço-o há quatro anos e não sabia se aceitaria o convite. Mas sabia que se visse o projecto iria encantar-se. Foi o que aconteceu.

Apesar da aposta na imagem, a CM parece ter ainda um défice de visibilidade. Concorda?Há muito trabalho de backoffice, que temos estado a fazer e que é inimaginável. E exigentíssimo. A necessária coordenação entre os departamentos de programação, comunicação e financeiro só vai começar a ser vista em 2008.

Não sobra espaço para explorar a programação do ponto de vista da comunicação?
O Pedro é efectiva e, inquestionavelmente, o director artístico. Admiro e reconheço a 100% o seu conceito de programação. Na minha área, a da curadoria, tenho maior liberdade no programa da ONP à sexta, na reflexão que faço sobre a programação. Depois, actuo em questões estruturais ligadas à abertura da CM, o futuro da loja, o livro a editar brevemente, a sinergia entre os espaços da restauração e os outros.

Divulgar a programação extravasa as suas competências?
Não. Mas este ano, dado o contexto – eu e o Paulo Rodrigues, do Serviço Educativo, entrámos quando o_Pedro já tinha a programação fechada – e as questões estruturais para resolver, decidimos fazer uma comunicação a outro ritmo. Tendo a CM o desejo de entrar no circuito internacional, essa comunicação deve ser feita, mas tem que ser pensada.

Daí o desinvestimento em Espanha, país-tema da programação deste ano?
É verdade que não há muita comunicação a esse nível. Concentrámos a divulgação em Madrid e vamos trabalhar na Galiza antes do Verão. Tem a ver com a contingência de termos chegado tarde. No futuro será diferente. Já estamos a trabalhar os próximos países-tema.

O primeiro livro editado pela CM será uma reflexão sobre o conteúdo ou sobre o objecto?
Não pretende ser uma reflexão sobre a missão da CM ou uma recensão crítica sobre o projecto. É um registo do que é a estrutura enquanto objecto. O livro, bilingue, vai ser lançado a 1 de Julho, para coincidir com a cerimónia, que vai ser aqui, da presidência de Portugal na União Europeia. É desenhado por Stefan Sagmeister e tem uma entrevista a Mark Wigley , reitor da Columbia University, em Nova Iorque, crítico, curador, das personagens mais conceituadas da crítica da arquitectura. Conhece bem o trabalho do Koolhaas.

Já há conceito e data e para a abertura da loja?
É o que falta acabar da Casa e já há muitas ideias na mesa. Estamos a discutir o que lhe dará corpo e alma. Abrirá no Natal.

Cumprindo, nesse caso, outra lacuna da CM, que é o merchandising...
Em todo o lado, o merchandising é tudo menos extraordinário. Gostaria que servisse para potenciarmos criadores portugueses emergentes, levá-los a reflectir sobre a música, a memória, o que fica, como fica. Não conheço nenhuma instituição que alguma vez o tenha feito.

Sendo da música, a CM está sempre silenciosa. É um princípio a manter?
Gostava de lançar o desafio: de que forma a música pode estar presente na CM sem ser através dos concertos. Isso está a ser pensado. A Casa é um diamante em bruto.

"Trabalhos da Experimenta congelados até 2008"

Experimenta Design, Bienal de Lisboa, entraria, em Setembro, na quinta edição se a Câmara de Lisboa não tivesse subtraído, à última hora, o apoio prometido. “Em Portugal, o sistema de apoio às artes é quase inexistente. Quando existe, é encarado de forma pejorativa, como se fosse um subsídio e não um investimento”, lamenta Guta Moura Guedes, autora da iniciativa que impôs a criação contemporânea portuguesa nos circuitos europeus da arte contemporânea, contribuindo para a sua projecção e internacionalização. O dissabor da interrupção é atenuado pela solidariedade internacional – “A reacção foi impressionante. A Bienal de Lisboa era a primeira de um circuito de cidades que cumprem o evento no mundo” –, mas a incerteza do futuro não conhece atenuantes. “Está tudo em aberto: pode desaparecer ou acontecer fora do país”. Poderá realizar-se em Portugal, mas fora de Lisboa? “Não faz muito sentido. Não quer dizer que não pudesse acontecer no Porto ou no Funchal, mas a verdade é que foi pensada para Lisboa”. Para já, a única garantia é o compromisso assumido pelos artistas convocados para a edição “It’s about time”. “O trabalho e a investigação feita serão transportados para 2008. Mais do que isso é impossível, porque não podemos jogar com temas que já não façam sentido internacionalmente”.

Marcadores:

1 Comments:

Anonymous Anônimo said...

mais do mesmo, faux design(er)

7:24 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home